5 tipos de tratamento de varizes sem cirurgia

Chamamos de varizes as veias que, devido a uma má circulação sanguínea, se deformam, se dilatam e adquirem um aspecto tortuoso. O problema, cuja incidência é maior nos membros inferiores, atinge homens e mulheres, embora os casos em pessoas do sexo feminino sejam mais comuns.

 

Muitos são os casos de pessoas que, ao apresentarem os primeiros sinais, não hesitam em correr atrás de soluções, uma vez que as varizes provocam desconforto, dor, além de também representarem um sério comprometimento estético. Hoje, há alternativas que prometem e, efetivamente, dão fim ao problema. A seguir, apresentaremos 5 tipos de tratamentos simples, feitos sem a necessidade de cirurgia, que garantem a satisfação de muitos pacientes e que, não à toa, se destacam pela eficácia.

 

1 – Laser

 

Este tratamento funciona da seguinte maneira: a luz emitida, quando em contato com a pele, age na camada interna dos vasos sanguíneos, destruindo-na. Esta parede passa, então, por um processo de cicatrização, o que culmina no fechamento do vaso e no consequente bloqueio do fluxo sanguíneo, o que impede que o problema volte a aparecer na região.

 

2 – Espuma

 

Outro procedimento muito eficaz é o de injeção de espuma, que se destaca pela simplicidade. Neste caso, é aplicada uma injeção de substâncias esclerosantes na veia doente. Tão logo penetram nos vasos, estas substâncias entram em um processo de fibrose em suas paredes, corrigindo, desta forma, a dilatação provocada pelo entupimento. Vale ressaltar que neste procedimento é utilizado um ultrassom, que permite que o médico acompanhe e determine a quantidade de espuma necessária a ser aplicada.

 

3 – Escleroterapia – tratamento de varizes sem cirurgia

 

Com a Escleroterapia, as veias dilatadas recebem uma medicação, que é responsável por provocar uma irritação nos vasos, de modo que eles sequem e, consequentemente, cessem o problema.

 

4 – Crioescleroterapia

 

Mais indicada para peles morenas e negras, a Crioscleroterapia consiste em aplicar glicose em veias reticulares. Convém destacar que, antes de ser realizado o procedimento, a substância fica armazenada em um equipamento refrigerado.

 

5 – Radiofrequência

 

Uma microcincisão é feita na pele para que um cateter alcance a veia dilatada. Ao ser aquecido, o material emite uma energia de radiofrequência que faz com que as fibras de colágeno da parede do vaso se encolham. Assim, ocorre a destruição das proteínas de sangue e a redução do diâmetro desse vaso, acarretando, portanto, no seu secamento.

 

Os 5 procedimentos acima têm alguns pontos em comum: são simples, seguros e eficazes. Entre em contato conosco para que possamos analisar o seu caso e dizer qual deles é o mais indicado para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *